A Medicina Chinesa é, na sua natureza, uma medicina preventiva. Os seus ensinamentos inserem-se numa lógica do cultivo da vida e não somente no tratamento da doença.

Ela considera a doença como uma desarmonia entre o microcosmos e o macrocosmos. Podemos definir o microcosmos como um organismo vivo (como eu ou o leitor) e o macrocosmos como todo o ambiente que nos rodeia (como as estações do ano, as condições geográficas do local onde habitamos, da sociedade onde nos inserimos, etc…). Daí a necessidade de uma análise complexa do ser humano, durante o interrogatório, onde se procura explorar a forma como a mente, a sociedade, a cultura ou a geografia podem estar relacionados com os sintomas físicos.

Para a Medicina Chinesa, a prevenção, ou cultivo da vida tem como objetivo principal conservar a saúde/prevenir a doença. Os meios usados variam nos diferentes hábitos de vida. Regular a dieta às nossas características pessoais, ao ambiente, à estação do ano, às nossas necessidades, fazer exercício físico adaptado à nossa condição e à estação do ano, moderar vida sexual (algo extremamente importante na cultura chinesa) e adaptar-se ao meio ambiente (que já referimos quando mencionamos a adaptação da dieta e do exercício físico).

Métodos terapêuticos mais conhecidos como a acupuntura ou a fitoterapia também são usados para preservar o nosso estado de saúde.

Na reabilitação, o objetivo consiste em aumentar a qualidade de vida dos doentes ou deficientes através do tratamento do declínio fisiológico do organismo que se pode dever tanto a fatores pré-natais como pós-natais.

As atividades lúdicas, o exercício físico, a dieta, massagem adaptação ao ambiente continuam a fazer parte dos meios usados para se atingir esse objetivo.

Podemos então observar que, em medicina chinesa, as grandes diferenças da prevenção e da reabilitação consistem nos objetos de estudo (pessoa saudável e pessoa doente) e na finalidade da ação clínica (preservar a saúde/prevenir a doença ou eliminar a doença/dar mais qualidade de vida).

As semelhanças encontram-se nos meios usados para atingir as finalidades de cada uma. Da mesma forma que a medicina chinesa usa a dietética ou a acupunctura ou a fitoterapia para tratar diversas maleitas também as usa para prevenir o aparecimento das mesmas.

A união destes dois pontos de vista é uma das maiores características do conceito de Holismo em MTC que visa a combinação da prevenção com o tratamento e integração desse tratamento na preservação da saúde.

Texto retirado de: Acupuntura/Acupunctura por Nuno Lemos.